Tomar remédio para dormir faz mal? Descubra os efeitos dessa prática!

Por Viva Rituaali
Tomar remédio para dormir faz mal? Descubra os efeitos dessa prática!

Milhões de brasileiros sofrem para pegar no sono à noite e muitos deles recorrem a remédios para aliviar o problema. Há diversos tipos que provocam sedação e podem ser utilizados como indutores de sono. Os principais são: benzodiazepínicos, anti-histamínicos e antidepressivos. Mas você sabia que tomar remédio para dormir faz mal?

Neste post, vamos apresentar as principais informações sobre esse assunto, para que você possa se inteirar de uma vez por todas e substituí-los por alternativas naturais.

Quais são os riscos de tomar remédio para dormir?

Um recente estudo publicado no American Journal of Geriatric Psychiatry constatou que cerca de 1 em cada 3 adultos com idades entre 65 e 80 anos utiliza esses medicamentos constantemente para dormir. Essa é uma questão bem alarmante, pois poucas pessoas entendem os efeitos negativos causados pelo uso descontrolado dessas substâncias.

Efeitos colaterais imediatos

Logo no início do tratamento, eles proporcionam alguns efeitos hipnóticos durante o dia, como a sedação, sonolência, raciocínio lento e sensação de ressaca. Além disso, aumentam os riscos de quedas em idosos e prejudicam a coordenação motora e a memória. Entre os acidentes indiretamente relacionados ao seu uso, estão alguns prejuízos em atividades que exigem coordenação (como dirigir veículos e máquinas), lesões decorrentes de quedas e esquecimento.

Já a longo prazo, podem provocar a diminuição definitiva da função motora e memória. Inclusive, há uma pesquisa que sugere que o uso prolongado dessas substâncias pode estar relacionado ao desenvolvimento de quadros de demência ou Alzheimer.

Dependência

Após algum tempo de uso, os pacientes se tornam dependentes dos benzodiazepínicos e não conseguem dormir sem a ajuda desses medicamentos. A crise de abstinência se caracteriza por uma ansiedade elevada, distúrbios do sono e, até mesmo, crises de psicose. O risco de dependência é ainda maior em mulheres e aumenta de acordo com a dose, tempo de tratamento e nos pacientes com histórico de uso excessivo de drogas.

Suicídio

Com a dependência e todos os outros efeitos colaterais, o uso prolongado de remédios para dormir gera um aumento do comportamento de risco, tanto em relação ao consumo de álcool e outras drogas, quanto às tentativas de suicídio. Inclusive, o uso desse tipo de medicamento para esses pacientes deve ser feito criteriosa e cuidadosamente.

Qual é a maneira correta de consumi-los?

Se você sofre de insônia, está muito estressado ou precisa de ajuda para se acalmar na noite anterior a um compromisso importante, o remédio para dormir pode ser um caminho, desde que prescrito por um profissional. Mas se você o tomar todos os dias, os riscos que ele representa ao seu corpo provavelmente superarão seus benefícios.

De qualquer forma, o mais indicado é consultar um psiquiatra ou neurologista. Esse profissional fará uma investigação da sua insônia — que pode aparecer sozinha ou ser causada por outros quadros, como ansiedade, depressão e vários outros tipos de doenças clínicas — por meio de exames e prescreverá uma receita personalizada com as doses e medicações adequadas.

Quais são as alternativas de tratamento para esse tipo de medicação?

Nos casos em que não houver nenhuma doença que explique a insônia, além do uso de medicações em doses pequenas e em curto prazo, podem ser utilizadas algumas técnicas alternativas que também são eficazes e não têm efeitos colaterais. Confira, a seguir, as principais!

Higiene do sono

A higiene do sono consiste em diversas ações que devem ser feitas antes de dormir. Não basta apenas apagar as luzes e esperar o sono chegar. É preciso seguir alguns hábitos mais relaxantes, como:

  • tomar um banho quente para relaxar os músculos;
  • deitar-se em um ambiente sossegado, silencioso e com a temperatura adequada;
  • desacelerar a mente e parar de pensar nas atividades do dia seguinte;
  • não cochilar durante o dia;
  • seguir a rotina de sono até nos finais de semana e feriados;
  • não utilizar celular, computador ou qualquer coisa que prenda sua atenção e faça seus olhos ficarem abertos;
  • não ingerir nenhum alimento com cafeína a partir do fim da tarde;
  • evitar deitar-se na cama se não estiver com sono;
  • não continuar deitado após acordar.

Alimentos calmantes

Existem alguns alimentos que servem como verdadeiros sedativos naturais e podem ajudar quem tem dificuldade de pegar no sono e sabe que tomar remédio para dormir faz mal. Os principais são chá de camomila e capim-limão, suco de maracujá, raiz de valeriana e alimentos ricos em magnésio, como espinafre, acelga e brócolis.

Você também pode se interessar por:

Chega de insônia: dicas para te ajudar a pegar no sono

Burnout: conheça a síndrome do esgotamento no trabalho

6 técnicas de relaxamento mental para desacelerar em um dia corrido

 

Últimas Notícias

Saúde