Beleza que vem da terra: conheça os benefícios da argiloterapia

A sensação é boa, tão boa que você se pergunta por que em vez de água, não toma banho de argila todo dia. Ela controla a oleosidade, reduz a celulite, ativa a circulação, combate a flacidez deixando a cútis mais firme, reluzente. Tem poderes adstringentes, desintoxicantes, antissépticos. Cicatriza, regenera, absorve a gordura, abre sorrisos. Sim, a pele sai lisinha e você, faceirinha.

Também denominada geoterapia, a argiloterapia é conhecida desde a Antiguidade. Egípcios e gregos já a aplicavam para fins estéticos, como Cleópatra, famosa por seus tratamentos de beleza usando leite, mel, pepino, levedura e, adivinha? Acertou, argila. E mais: registros indicam uso para fins medicinais entre médicos gregos, árabes e romanos, como Dioscórides, Galeno e Plínio, para aliviar sintomas de reumatismo e malária.

Não é magia, é geoterapia!

Mas o que está por trás dessa “mágica” que a argila opera? A explicação está em sua composição: com partículas de cristais de granulação finíssima, é quimicamente formada por silicatos hidratados de alumínio, ferro, magnésio, silício, zinco, cálcio, matéria orgânica e sais solúveis, entre outros elementos minerais e radioativos (em níveis benéficos).

Conheça os tipos de argila

Por variarem as condições climáticas e do solo, há diferentes tipos e propriedades de argilas. As hidrômicas têm pH de neutro a alcalino, maior capacidade de adsorção de água (Isso mesmo! Você leu certo: adsorção é a capacidade de fixar moléculas a uma superfície sólida, como o carvão ativado) e troca iônica. São encontradas em regiões temperadas frias e semiáridas, e em versões de cores vermelho, verde, amarelo, laranja e roxo. Já as caulinitas possuem baixo índice de adsorção de água e pH ácido e são mais claras, em geral brancas. Daí a importância das cores das argilas em cada tratamento.

  • A branca clareia manchas, esfolia e aumenta a circulação sanguínea.
  • A amarela, indicada para peles oleosas, reduz edemas, flacidez e tonifica.
  • A verde, também para oleosas, desintoxica, é analgésica e secativa, um peeling natural.
  • A roxa é rica em magnésio e é ótima para dar firmeza à pele.
  • A preta tem enxofre e ação anti-inflamatória, adstringente e suaviza manchas.
  • Já a vermelha é boa para reduzir medidas, energizar e devolver o viço à cútis. E muito mais!

Argilas também podem ser aplicadas para combater a oleosidade nos fios dos cabelos e a caspa do couro cabeludo. Para saber qual tratamento é indicado ao seu tipo de pele, faça uma avaliação com seu dermatologista ou esteticista.

Gostou? Compartilhe com seus amigos.

Últimas Notícias

beleza