Saúde dos médicos em risco

Uma pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) com mais de 7 mil médicos de todo o País revelou o que muitos já sabiam nos corredores dos hospitais: 57% dos médicos sofrem de burnout – uma síndrome caracterizada pelo esgotamento mental e físico e desânimo com o emprego. Além disso, 44% sofrem de depressão ou ansiedade.

Além da saúde mental, a pesquisa nacional aponta que os problemas físicos também são alarmantes. Um em cada cinco médicos sofre de doenças cardíacas. A mesma parcela (21,8%) apresenta alterações no sistema circulatório e 19,7% têm mau funcionamento do aparelho digestivo.

Os médicos brasileiros não são os únicos que sofrem dos problemas. Um estudo realizado em Portugal mostrou que dois terços dos médicos admitem estar em elevado estado de exaustão emocional. A pesquisa — uma iniciativa conjunta da Ordem dos Médicos e do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa — foi feita através de inquéritos a cerca de 10.000 médicos portugueses.

Excesso de cobrança, falta de descanso, de sono reparador, dieta inadequada, falta de tempo com a família e de atividades físicas levam ao quadro de sobrecarga mental, obesidade, sedentarismo e tabagismo. Por isso, é fundamental que o médico tire um tempo para cuidar de si para que possa cuidar dos pacientes.

Ou seja: ter saúde para fornecer saúde.

“Eu cursei Medicina no interior, mas fiz especialização em São Paulo, capital. Quando me mudei, quase tive um surto. Pegava muito trânsito, dormia quatro horas por noite, não me alimentava direito, comia doces, fumava cigarros até no banho”, conta a especialista em Medicina da Família, Daniela Kanno. “Tive muita acne, refluxo. Minha qualidade do sono era péssima e eu estava com muita fadiga. E eu não era a única. Nos centros cirúrgicos, o que eu via era ainda pior. Um cirurgião, por exemplo, passa 10 horas sem comer, sem ir ao banheiro. É uma tortura”.

A médica tomou a decisão de se mudar para Florianópolis. “Eu precisava fazer algo. Foi quando me deu o estalo de que eu precisava sair dali.” Mas nem tudo foi como ela planejara. “Eu levei meu péssimo estilo de vida comigo. Continuava estressada, trabalhando sem parar. Quando percebi isso, vi que era hora de mudar. Eu nunca quis trabalhar com doenças, e sim com saúde. E percebi que, para promover a saúde, eu precisava ser saudável“.

Daniela começou, então, a mudar o estilo de vida. Parou de fumar, foi praticar atividades físicas, cortou os doces, voltou a nadar e mudou totalmente o estilo de vida. Ela estava pronta para ajudar outras pessoas a conquistarem hábitos saudáveis. Foi quando conheceu o médico Luiz Fernando Sella.

Mudança de hábitos a dois

Obeso, sedentário, ansioso. Pressão arterial descontrolada e colesterol alto. Quem vê o médico especialista em Medicina de Estilo de Vida Luiz Fernando Sella hoje não imagina como ele era há 10 anos.

“Eu tomava muito refrigerante, dormia muito tarde, acordava cedo, fazia uso de bebidas alcoólicas e às vezes eu fumava. Estava mal de saúde. Não cuidava de mim. Não tinha como cuidar dos outros“, afirma Sella.

Foi depois de conhecer Daniela que Sella começou a rever seus próprios hábitos. As mudanças foram aos poucos. Primeiro, ele diminuiu o consumo de gorduras e frituras e parou de tomar refrigerantes. Depois, cortou o álcool, começou a fazer natação e passou a dormir cedo. O resultado? Menos 17 quilos em três meses, colesterol e pressão arterial normalizados e o fim da ansiedade.

“Primeiro eu vi como os parâmetros de saúde se transformaram. Depois, eu passei a ter mais disposição, energia, vontade de trabalhar. Mas o principal foi ter a consciência limpa de que eu estava saudável agora e poderia influenciar outras pessoas a terem bons hábitos”.

Luiz Fernando Sella e Daniela Kanno mudaram os hábitos, casaram-se e, hoje, dirigem um centro de Medicina de Estilo de Vida em Penedo, o Rituaali, onde ajudam outras pessoas a aprenderem a cuidar da própria saúde – inclusive os médicos, como eles.

“Nos dias 30 de março a 3 de abril, teremos uma programação especial. É a Semana da Vida Saudável Para Médicos, em parceria com a Clínica Mayo, nos Estados Unidos. O médico, muitas vezes, está mais doente do que o paciente. E para ajudar outras pessoas, ele precisa estar bem. Queremos ajudá-lo a transformar o estilo de vida. Mudar é possível”, garante Daniela Kanno.

Últimas Notícias

Saúde